O seguir constante se torna intensidade para a permanência do corpo. Voo é um acontecimento que explora a potencialidade das ações da caminhada em bando enquanto proposta de intervenção coreográfica no espaço urbano. Nessa duração da caminhada, o ar delineia as bordas do corpo e o corpo todo influi nos movimentos do ar presente no espaço. Cada espaço tem um ar próprio e cada Voo também. As estratégias de cada um em relação ao outro permitem a sincronia instável do todo gerando uma zona de contágio. As decisões de como agir em bando podem ser individuais ou emergir da própria revoada, que configura um campo de forças coletivo e de sincronicidade autogestionada.

Voo
[2013]

Foto: Breno Morita